My Irreversible Point of View

Unfortunately freedom of speech is not totally respected in some parts of the world. That is why I decide to express my point of view in the name of those who are not allowed to express themselves. STAND UP, SPEAK UP! STOP THE TRAFFIK

Thursday, December 04, 2008

International Volunteer Day

.

The Secretary-General
Message on International Volunteer Day

5 December 2008

This International Volunteer Day comes near the end of a difficult year marked by rising food and fuel prices, accelerating climate change and turmoil in world financial markets.
There have been many calls for resources to combat these problems. Rarely, however, is volunteerism fully recognized as a potentially vast and powerful resource to engage people in the pursuit of peace and development. Yet the United Nations Volunteers (UNV) programme deploys 7,500 volunteers every year to support national development efforts, and many millions more contribute their time and energy in their own way.
Recently I learned of a 70-year old woman who travelled halfway around the world from New Zealand to volunteer in Liberia with the United Nations peacekeeping mission and join local people in supporting the Government’s new national youth volunteer scheme.
As this one example shows, every day, people across the world contribute their knowledge and energy as volunteers. Through facilities such as the UNV Online Volunteering service, everybody can volunteer for peace and development without being limited by time or physical constraints.
The cultural form and definition of a volunteer may change depending on circumstances, but the underlying principle never wavers: every individual can make a difference in society.
Beyond helping to promote the greater good, volunteers enrich their own lives. As one volunteer recently put it: “I feel as though I am able to make a difference in the world and use my skills. It allows me to genuinely feel as though I am part of the world community.”
The altruistic spirit of volunteerism is immense and renewable. On this International Volunteer Day, I urge all members of our global community to tap this great reserve of energy and initiative.

(www.worldvolunteerweb.org)

Friday, November 14, 2008

UNFPA report shows cultural sensivity critical to successful development strategies, women's equality

UNITED NATIONS, New York, 12 November 2008

Development strategies that are sensitive to cultural values can reduce harmful practices against women and promote human rights, including gender equality and women’s empowerment, affirms The State of World Population 2008 report from UNFPA, the United Nations Population Fund.
Reaching Common Ground: Culture, Gender and Human Rights, launched 12 November 2008, reports that culture is a central component of successful development of poor countries, and must be integrated into development policy and programming.
The report, which coincides with this year’s 60th anniversary of the Universal Declaration of Human Rights, is based on the concept that the international human rights framework has universal validity. Human rights express values common to all cultures and protect groups as well as individuals. The report endorses culturally sensitive approaches to development and to the promotion of human rights, in general, and women’s rights, in particular.
“Human rights are everybody’s work, and being culturally sensitive and understanding the context is everybody’s business,” said Thoraya Ahmed Obaid, Executive Director of UNFPA.
Culturally sensitive approaches call for cultural fluency—familiarity with how cultures work, and how to work with them. The report suggests that partnerships—between UNFPA and community-based institutions and leaders, for example—can create effective strategies to promote human rights and end their abuses, such as female genital mutilation or cutting.
Culturally sensitive approaches seek out creative solutions produced within cultures, and work with them. “Communities have to look at their cultural values and practices and determine whether they impede or promote the realization of human rights. Then, they can build on the positive and change the negative,” said Ms. Obaid.
The State of World Population cautions that cultural sensitivity and engagement do not mean acceptance of harmful traditional practices, or a free pass for human rights abuses – far from it. Values and practices that infringe human rights can be found in all cultures. Understanding cultural realities can reveal the most effective ways to challenge these harmful cultural practices and strengthen beneficial ones.
Despite many declarations and affirmations in support of women’s rights, the report argues, gender inequality is widespread and deep-rooted in many cultures. Coercive power relations underlie practices such as child marriage—a leading cause of obstetric fistula and maternal death—and female genital mutilation or cutting. These and other harmful practices continue in many countries despite laws against them. Women may even support them, believing that they protect their children and themselves.
The UNFPA approach encourages change from within, says the report. The Fund works with governments and a variety of local organizations and individuals through a “culture lens”. “There are people within every culture who oppose harmful cultural practices. Our experience shows that we can work closely with them for cultural change to protect human rights,” said Ms. Obaid.
The report emphasises the importance of a culturally sensitive approach not only to development, but also to humanitarian response. It stresses that humanitarian assistance in conflicts must protect whatever progress women have made towards gender equality, including reproductive health and rights. Describing women as victims and men as aggressors ignores cultural realities and the variety of responsibilities that women take in wartime as heads of household, breadwinners, caregivers and combatants.
Culturally sensitive approaches are essential for reaching the Millennium Development Goals, says the report, including Goal 5: to improve maternal health. “To be healthy throughout the life cycle – before pregnancy, during pregnancy and after pregnancy – is a human right,” said Ms. Obaid.
The report concludes that analysing people’s choices in their local conditions and cultural contexts is a precondition for better development policies.
“Cultures change, for better or worse, in good times and bad. The report is about promoting human rights in all circumstances,” said Ms. Obaid. “Culture is not a wall to tear down. It is a window to see through, a door to open to make greater progress for human rights."

***

UNFPA, the United Nations Population Fund, is an international development agency that promotes the right of every woman, man and child to enjoy a life of health and equal opportunity. UNFPA supports countries in using population data for policies and programmes to reduce poverty and to ensure that every pregnancy is wanted, every birth is safe, every young person is free of HIV/AIDS, and every girl and woman is treated with dignity and respect.

Wednesday, November 05, 2008

UN: Hope that America rejoins the World

.







By Barbara Crossette

Jubilation should be the order of the day at the United Nations when an American who is also a son of Kenya and a child of Indonesia is elected president of the most powerful country in a world in need of healing. But while there is quiet joy and relief at the victory of Barack Obama, there is also a strong undercurrent of caution. Is the end of an unfriendly Republican era enough in itself to bring the United States back? Or have the Democrats, the heirs of the UN's founders, drifted too far from internationalism?
Much has been written in recent years about America "rejoining the world." Nowhere more than at the UN have Washington's bullying tactics and stunted, provincial vision of global challenges cast such a pall over international cooperation. Here, the United States is close-up and personal. After the naming in Washington of a new secretary of state, the appointment most eagerly awaited at the UN is that of the next American ambassador.
Peter Maurer, Switzerland's ambassador to the UN, says that what he hears among his diplomatic colleagues is a plea for trust to be restored between the US and the UN. There are the wounds of the Iraq war, and there is skepticism about the motives of Washington when politicians talk about UN reform. "The new administration will find a kind of window of opportunity because there is enormous goodwill around the UN to see and to hear some new voices" Maurer said. But the UN as well as the US will have to work on closing the rift, he added.
The world of the United Nations is divided into two distinct camps. The people of the headquarters Secretariat and the various agencies are recruited or appointed international civil servants who are expected to leave their nationalities behind and work for a global constituency. Many of them fail to meet that test, but that's another story. Separate from them are the diplomats who represent the 192 member nations. Their missions are in essence embassies to the UN and their views, at least formally, would reflect those of their governments.
To the foreign diplomats based in New York, perhaps surprisingly, the ambassadors sent to the UN by the Bush administration have generally been respected and liked, from John Negroponte and John Danforth to Zalmay Khalilzad, the first Muslim to represent the US in New York. John Bolton was the exception, but his period as ambassador was relatively brief and he was regarded as competent even by some who found him undiplomatically abrasive and driven blindly by his distrust of internationalism and rigid defense of American sovereignty.
Samir Sanbar, a former UN under secretary general for communications who now publishes a gossipy newsletter, unforum.com, describes the mood in the Secretariat this week as "caught between hope and apprehension." He says that the organization remembers the Clinton years, when the White House backed away from some important international commitments and crudely dumped a secretary general, Boutros Boutros-Ghali, out of what appeared to be domestic political skittishness.
Middle Easterners (Sanbar is from Lebanon) also see no real possibility of change in regional policy in the Mideast, he said. Not long ago, before the election, a Brazilian diplomat remarked that there is concern about the Democrats' aversion to free trade. A lot of Indians liked the Republicans because they gave New Delhi a nuclear supply deal that may have killed the nonproliferation treaty.
Maurer, an expert in international law, said that a hoped-for thaw in US-UN relations would need to translate into action. "We all know what some of the concrete issues are, where many delegations would hope that a new administration would eventually set some priorities," he said. "This goes from climate change to engagement on a balanced nuclear disarmament, nonproliferation, policy. It goes to a new engagement for multilateral human rights, approaches which we certainly missed. New ideas, new approaches might be extremely welcome."
A list of international agreements rebuffed by the US awaits the Obama-Biden administration, beginning with the 1996 Comprehensive Test Ban Treaty against nuclear weapons development, which the Clinton Administration shrank from sending to a hostile Congress. Also under Clinton, the US signed but never ratified the 1998 treaty creating the International Criminal Court, the first permanent tribunal designed to deal with perpetrators of genocide, war crimes and crimes against humanity. In 2001, the Bush administration rescinded even the US signature and set out to undermine the court. Now, without standing in the court, Washington is in the awkward position of wanting the president of Sudan to be tried there for the horrors of Darfur.
The United States also opted out of joining the Human Rights Council, created in 2006 to replace the discredited Human Rights Commission. An early decision will have to be made on whether to vie for a seat in the new year.
On climate change, the US has not joined the Kyoto Protocol, which sets binding targets for reducing greenhouse gases in industrialized countries. The agreement, due to expire in 2012, is scheduled to be renegotiated next year at a global conference in Copenhagen. Strong leadership and active American participation will be needed to draw in major developing nations that have so far refused to be bound by internationally agreed limits.
The UN seems to have been a bone thrown by Washington to the ideological right. After the Security Council refused to endorse the American invasion of Iraq, Republicans excoriated the UN and Secretary General Kofi Annan for his opposition to the war and on whom, with more than a hint of revenge, they tried to pin responsibility for corruption in the Iraqi "oil for food" program a few years later. That the secretary general had no authority over the Security Council and that almost all the corruption turned out to have been found in corporations operating outside the formal system, whose rules Council members failed to enforce, were conveniently overlooked.
Sanbar says that the current secretary general, Ban Ki-moon, whom the US (and particularly Bolton) propelled into office in 2007, may be wondering what will happen when and if he seeks a second five-year term. He will have to open channels to the Democrats.
The UN Population Fund may have the most to gain in the short term from the Democratic victory. Since 2002, the Bush administration has barred American contributions to the fund, known as UNFPA, on specious claims that it was involved in programs in China that included forced abortions--claims the State Department argued were not true. The cumulative loss to UNFPA neared $300 million this year, at a time when maternal mortality remains high and family planning programs, in great demand in poor nations, are falling well behind funding campaigns for fighting HIV-AIDS.
n the Senate, Obama and Joe Biden have been supportive of programs for women--Biden co-authored the Violence Against Women legislation--and the ban on UNFPA is expected to be lifted early, along with what is known as the "global gag rule" introduced at a population conference in Mexico City in the Reagan administration that prevents US aid to any organization worldwide that condones abortion.
With the new administration, the broader American opposition to social programs in the UN system may end or be greatly diminished. The US has been in league with the Vatican and conservative Islamic countries on women's reproductive rights. It has failed to ratify the 1979 Convention on All Forms of Discrimination Against Women (along with nations such as North Korea and Iran) and is only one of two countries (Somalia is the other) not to have ratified the Convention on the Rights of the Child.
Maurer said diplomats who watched the presidential debates this year with great interest noticed that the UN did not figure in the candidates' foreign policy messages. Ignoring the UN has become bipartisan. Reluctance to make commitments "went far beyond the President Bush administration," he said. "There has to be something in the American political fabric which produces these opinions."
Advances in universal human rights, international criminal law and accountability in the UN system all depend on American involvement, Maurer said. "There is no doubt that if you want to have functioning multilateralism you have to have the United States engaged and on board. If this is not happening, you are immediately in the vicious circle because then the results of negotiations will always be weaker if the US is not pushing within the institution, at the table."


This article can be found on the web at:
http://www.thenation.com/doc/20081117/crossette3

And the winner is...

.

Barack Hussein Obama

Nações Unidas: 63 anos e 63 maneiras de mudar o mundo

.
O sexagésimo terceiro aniversário das Nações Unidas é uma ocasião para reflectirmos sobre todo o trabalho que a organização tem feito ao longo da sua história.
A ONU e os seus organismos estão empenhados numa vasta gama de tarefas que procuram melhorar a vida das pessoas em todo o mundo. A sobrevivência e o desenvolvimento das crianças. A protecção do ambiente. A saúde e a investigação médica. A redução da pobreza e o desenvolvimento económico. O desenvolvimento agrícola e a pesca. A educação. A promoção das mulheres. A ajuda de emergência e em caso de catástrofe. As viagens aéreas e marítimas. O uso da energia atómica para fins pacíficos. O trabalho e os direitos dos trabalhadores. E a lista continua...
Eis sessenta e três tarefas que as Nações Unidas e os órgãos que a compõem têm realizado ao longo de sessenta e três anos, isto é, desde 1945, ano em que a organização foi criada.

1. Promover o Desenvolvimento
2. Promover a Democracia
3. Promover os Direitos Humanos
4. Manter a Paz e a Segurança
5. Estabelecer a Paz
6. Proteger o Ambiente
7. Prevenir a Proliferação Nuclear
8. Promover a Autodeterminação e a Independência
9. Levar a julgamento os criminosos de guerra
10. Pôr termo ao apartheid na África do Sul
11. Reforçar o Direito Internacional
12. Prestar Ajuda Humanitária a refugiados
13. Atenuar a Pobreza Rural nos Países em Desenvolvimento
14. Ajudar os refugiados palestinianos
15. Dar especial importância ao desenvolvimento de África
16. Promover o bem-estar das Mulheres
17. Promover os direitos das mulheres
18. Fornecer água potável
19. Acabar com a poliomielite
20. Responder ao HIV/Sida
21. Erradicar a varíola
22. Lutar contra as doenças parasitárias
23. Deter a propagação das epidemias
24. Fazer campanha em prol da vacinação mundial
25. Reduzir a Mortalidade Infantil
26. Construir as bases da actividade empresarial
27. Apoiar a indústria nos Países em Desenvolvimento
28. Ajudar as vítimas de catástrofes
29. Reduzir os efeitos das catástrofes naturais
30. Prestar socorro às vítimas do tsunami
31. Proteger a camada de ozono
32. Tratar da questão das alterações climáticas
33. Desminagem
34. Fornecer alimentos aos mais necessitados
35. Lutar contra a Fome
36. Prevenir a sobreexploração dos recursos haliêuticos
37. Proibir os produtos químicos tóxicos
38. Proteger a saúde dos consumidores
39. Lutar contra o Terrorismo
40. Promover a saúde materna e reprodutiva
41. Proceder à resolução judicial de grandes litígios internacionais
42. Melhorar as relações comerciais mundiais
43. Promover uma reforma económica
44. Promover a estabilidade e a ordem dos oceanos no mundo
45. Melhorar as viagens por via aérea e marítima
46. Lutar contra as drogas ilícitas
47. Lutar contra a Criminalidade Internacional
48. Promover o trabalho digno
49. Melhorar a alfabetização e a educação nos Países em Desenvolvimento
50. Gerar um compromisso a favor das crianças, a nível mundial
51. Preservar os sítios históricos, culturais, arquitectónicos e naturais
52. Facilitar os intercâmbios universitários e culturais
53. Proteger a Propriedade Intelectual
54. Promover a liberdade de imprensa e a liberdade de expressão
55. Transformar os bairros degradados em povoamentos humanos dignos
56. Melhorar os serviços postais mundiais
57. Introduzir melhores técnicas agrícolas e reduzir custos
58. Promover os direitos das pessoas com deficiência
59. Melhorar as telecomunicações mundiais
60. Melhorar a difícil situação das populações indígenas
61. Respeitar a liberdade religiosa e de culto
62. Trabalhar para erradicar a pobreza
63. Mobilizar esforços para dar resposta à crise alimentar mundial

Friday, October 24, 2008

THE SECRETARY-GENERAL'S MESSAGE ON UNITED NATIONS DAY, 24 October 2008

On this 63rd anniversary of our Organization, I join you in celebrating UN Day.
This is a crucial year in the life of our United Nations. We have just passed the midpoint in the struggle to reach the Millennium Development Goals -- our common vision for building a better world in the 21st century. We can see more clearly than ever that the threats of the 21st century spare no one. Climate change, the spread of disease and deadly weapons, and the scourge of terrorism all cross borders. If we want to advance the global common good, we must secure global public goods.
Many countries are still not on track to reach the Millennium Development Goals by the target date of 2015. I am also deeply concerned about the impact of the global financial crisis. Never has leadership and partnership been more important.
This makes our success at the high-level MDG event in September all the more remarkable. We brought together a broad coalition for change. Governments, CEOs and civil society. We generated unprecedented commitment in pledges and partnerships to help the world's poor.
The final tally is not in yet, but the total amount pledged at the MDG event may exceed 16 billion dollars.
Partnership is the way of the future. Just look at the advances on malaria. Our global malaria effort has brought us within range of containing a disease that kills a child every 30 seconds. It is doing so through focused country planning. Greater funding. Coordinated global management. Top-notch science and technology.
We need models like these to tackle other challenges, including climate change, as we approach the conferences on Poznan and Copenhagen. We need them to achieve all the other Millennium Development Goals.
Let us keep building on this as a way forward. There is no time to lose. The United Nations must deliver results for a safer, healthier, more prosperous world. On this UN Day, I call on all partners and leaders to do their part and keep the promise.

(Source: United Nations Regional Information Centre for Western Europe - UNRIC, www.unric.org)

More than 116 million people - nearly 2% of the world's population - stood up against poverty!

.

More than 116 million people – nearly two percent of the world population – mobilized at events in 131 countries on October 17-19 as part of “Stand Up and Take Action.” The mobilization, which was ratified by Guinness as breaking the world record for the biggest mass mobilization on a single issue, sends a clear message to world leaders that citizens will not stay seated while promises to end poverty remain unfulfilled. At least 5 million additional people – many in Africa and Latin America— Stood Up at events not submitted before the Guinness deadline.
“In what was undoubtedly the largest global mobilization against poverty in living memory, citizens around the globe put their leaders at the national and global level on notice that their commitments to achieve the Millennium Development Goals by 2015 have to be met – no more delays or excuses are acceptable,” said Salil Shetty of the United Nations Millennium Campaign. “Already, world leaders are responding. Mass mobilizations have the power to change the course of history, and we will not stop mobilizing and advocating for action until the Millennium Development Goals are achieved for the poorest people in the world.”
“This is a new kind of action the world is seeing: it’s the local influencing the global. Women in villages in Africa are connecting and joining millions of citizens in other countries and young people are taking ownership of the Millennium Development Goals like never before. Thousands of actions, pictures and messages show a powerful groundswell of determination from ‘We the People’, and that a new global financial architecture must be about equality and gender justice,” said Sylvia Borren of the Global Call to Action Against Poverty (GCAP) who attended Stand up events in the US this week. “This is a wonderful statement of global determination and commitment to end the injustice of extreme poverty,” said Desmond Tutu, Archbishop of Cape Town and Chairman of The Elders. “116 million people demand the right to food, water, health care, education and a life of dignified work for all. 116 million people have stood together to say end extreme poverty. This message must be heard by leaders everywhere – it cannot be ignored.”
“This show of the mass will of people around the world against the massive injustice of poverty and in support of the Millennium Development Goals this past weekend was moving and powerful — but now it’s up to world leaders to match the passion and commitment of their people and deliver on their commitments ,” said human and civil rights leader Martin Luther King III. “My father proved that when the voices of citizens become too loud to ignore, governments are forced to do the right thing. We’ll keep mobilizing and advocating for change until they do.”
“The largest Stand Up is truly an historic event and as keepers and adjudicators of world records we are delighted to ratify such an important record and make this official,” said Craig Glenday, Editor- in-Chief of Guinness World Records. “We congratulate every individual for taking part in this initiative and welcome them to the family of Guinness World Records.” “This ever increasing number clearly shows that business as usual cannot go on,” said Eveline Herfkens of the UN Millennium Campaign. “Leaders must take note and act now.”

The number of people who “Stood Up and Took Action” as verified by Guinness World Records in each region is as follows:
  • Africa - 24,496,151
  • Arab States - 17,847,870
  • Asia - 73,151,847
  • Europe - 951,788
  • Latin America - 211,250
  • North America - 123,920
  • Oceania - 210,803
  • Total - 116,993,629!!!
(Source: Global Call to Action Against Poverty, October 22, www.whiteband.org)


WE ARE THE FIRST GENERATION THAT CAN END POVERTY!

Friday, October 17, 2008

I STOOD UP AGAINST POVERTY!

.

Thursday, October 16, 2008

Dia Mundial para a Erradicação da Pobreza

.
Mensagem do Secretário-Geral das Nações Unidas Ban Ki-Moon no âmbito do Dia Internacional para a Erradicação da Pobreza (17 de Outubro de 2008):


Este ano, o tema da comemoração do Dia Internacional para a Erradicação da Pobreza – Direitos humanos e dignidade das pessoas que vivem na pobreza – relembra a proclamação, há 60 anos, da Declaração Universal dos Direitos Humanos, que afirma que “toda a pessoa tem direito a um nível de vida suficiente para lhe assegurar e à sua família a saúde e o bem-estar”.
Sessenta anos depois, centenas de milhões de seres humanos continuam a ser privados dos seus direitos fundamentais, como o direito à alimentação, à habitação, à educação e ao trabalho digno. Condenadas a viver na pobreza, essas pessoas têm, muitas vezes, de enfrentar a exclusão social, a discriminação e a privação de qualquer poder ou influência. A miséria priva os pobres da sua dignidade humana.
Nos nossos esforços para erradicar a pobreza devemos prestar muita atenção aos direitos humanos e dignidade de todos. É preciso ir além das necessidades materiais básicas e abordar a discriminação e a desigualdade. Isto significa assegurar que todas as pessoas pobres tenham acesso aos recursos de que necessitam – terras, capitais, saber e competências - para escapar à miséria. Significa dar-lhes meios para participarem activamente na tomada de decisões e noutras actividades que afectam directamente a sua vida.
As incertezas económicas actuais tornam esta tarefa ainda mais árdua, mas também aumentam a sua importância. A subida do preço dos alimentos e dos combustíveis e a crise financeira mundial ameaçam anular os progressos alcançados em matéria de redução da pobreza e da fome, em várias partes do mundo. Estima-se que 100 milhões de pessoas corram o perigo de mergulhar na miséria.
Durante a Reunião de Alto Nível do passado mês de Setembro, os governos reafirmaram os seus compromissos em relação aos Objectivos de Desenvolvimento do Milénio. Muitos prometeram novos recursos para consolidar a segurança alimentar, erradicar as doenças, assegurar o acesso à água e ao saneamento e gerir a crise financeira. Estes compromissos não são actos de caridade, mas obrigações assumidas no âmbito dos esforços para garantir os direitos humanos para todos. Se não cumprirmos as nossas promessas relativas aos Objectivos de Desenvolvimento do Milénio, criaremos condições para aumentar o sofrimento humano e agravar a insegurança mundial.
Não erradicaremos a pobreza, se não respeitarmos devidamente os direitos humanos. Neste Dia Internacional para a Erradicação da Pobreza, empenhemo-nos em garantir a dignidade inerente a todos os membros da família humana bem como direitos iguais para todos e esforcemo-nos por libertar o mundo da pobreza e da injustiça.

Dia Mundial da Alimentação

.
Mensagem do Secretário-Geral das Nações Unidas, Ban Ki-Moon, no âmbito do Dia Mundial da Alimentação (16 de Outubro de 2008):


Este ano, o Dia Mundial da Alimentação ocorre numa conjuntura de crise. A turbulência do sistema financeiro mundial tem aumentado as preocupações causadas pela escalada dos preços dos bens alimentares e do combustível, que já mergulhou 75 milhões de pessoas na fome e na pobreza.

Esta enorme tragédia humana produz-se quando lutamos por cumprir a promessa contida no primeiro Objectivo de Desenvolvimento do Milénio: reduzir para metade a pobreza extrema e a fome até 2015. A situação já seria muito preocupante se se limitasse à questão da fome, mas a verdade é que a escassez generalizada de alimentos desencadeia outras ameaças, que vão desde a agitação social até à degradação ambiental, comprometendo o bem-estar de uma geração inteira, da qual dependerá o futuro do mundo.
Já antes da subida acentuada dos preços, cerca de 800 milhões de pessoas se deitavam todas as noites com fome. Simultaneamente, os efeitos das alterações climáticas, incluindo o maior risco de seca, uma pluviosidade mais irregular e os fenómenos climáticos extremos, ameaçam expor mais alguns milhões de seres humanos à malnutrição e à escassez de água. Neste momento, mais 100 milhões correm o risco de sofrer de fome e pobreza, em consequência da subida do custo da energia e do aumento para mais do dobro do preço dos alimentos.
Estes desafios difíceis que a humanidade enfrenta – reagir às alterações climáticas e procurar resolver a crise alimentar e energética mundiais – estão interligados e têm um carácter mundial. Exigem, por isso, uma resposta mundial. Estas crises não são passageiras e, por conseguinte, requerem uma atenção redobrada dos governos, doadores, organizações internacionais e regionais, sociedade civil e sector privado, nos próximos anos.
Atendendo à dimensão e complexidade deste problema, as Nações Unidas criaram uma Equipa Especial de Alto Nível sobre a Crise Alimentar Mundial, que definiu um Quadro de Acção Global em que traçava o caminho a seguir pelos governos, comunidade de doadores, sociedade civil e sector privado.
O Dia Mundial da Alimentação constitui uma oportunidade para levar mais longe esse impulso, estudando o tema das alterações climáticas e das bioenergias no contexto da segurança alimentar.
Trata-se de questões de vida ou de morte que têm de ser enfrentadas com seriedade e determinação. Neste Dia Mundial da Alimentação, exorto os governos, organizações e cidadãos a estabelecerem verdadeiras parcerias para superar estes desafios e, assim, poderem alcançar todos os Objectivos de Desenvolvimento do Milénio e, em última análise, libertar o mundo da fome e da pobreza.

Sunday, October 12, 2008

Stand Up and Speak Out!

.
In 2000, leaders of 189 countries signed the Millennium Declaration agreeing to do everything in their power to end poverty. They pledged to do this by achieving the Millennium Development Goals, a roadmap to end extreme poverty by 2015.
Still, every day, 50,000 people die as a result of extreme poverty and the gap between rich and poor people is increasing. Nearly half the world’s population live in poverty, 70% are women. We have the power to change this.
Campaigners worldwide will STAND UP and TAKE ACTION to push their governments for more and better aid, debt cancellation, education for all boys and girls, healthcare, trade justice, gender equality and public accountability.

Last year, over 43 million people Stood Up to demand that world leaders keep their promises to end poverty and inequality. This year, help us break that record and send an even louder message to our governments.
Join the global movement of people who refuse to stay seated or silent in the face of poverty and broken promises to end it!

STAND UP and TAKE ACTION against Poverty and for the Millennium Development Goals.

Wednesday, September 17, 2008

The End of Poverty, by Jeffrey Sachs

.

We can end poverty by 2025... and change the world forever.

For the first time in history, our generation has the opportunity to end extreme poverty in the world's most desperate nations. But how can we stop the cycle of bad health, bad debt and bad luck that holds back more than a billion people?
Jeffrey D. Sachs has the answers. He has travelled and worked in over 100 countries across the globe - from Africa to India, Poland to Bolivia - advising leaders on economic development and poverty reduction. Here he lays out how poverty has been beaten in the past, how - in realistic, attainable steps - we can make a real difference for the one-fifth of humanity who still live in extreme poverty, how they can find partnership with their wealthy counterparts to escape the poverty trap, how little it will actually cost, and how everyone can help.

Tuesday, September 16, 2008

Night, by Elie Wiesel

.

NIGHT - A terrifying account of the Nazi death camp horror that turns a young Jewish boy into an agonized witness to the death of his family... the death of his innocence... and the death of his God. Penetrating and powerful, as personal as THE DIARY OF ANNE FRANK, NIGHT awakens the shocking memory of evil at its absolute and carries with it the unforgettable message that this horror must never be allowed to happen again.

ELIE WIESEL was born in the town of Sighet in Transylvania. He was still a teenager when he was taken from his home to the Auschwitz concentration camp and then to the Buchenwald. His memoirs of that experience are unforgettably recorded in NIGHT, which became a worldwide bestseller. Elie Wiesel is Andrew Mellon Professor in the Humanities at Boston University and founding chairman of the United States Holocaust Memorial Council.

Sunday, September 14, 2008

Can Asians Think?, by Kishmore Mahbubani

.

Title: Can Asians Think?: Understanding the divide between East and West
Edition: U.S. edition
Year: 2002

The world's largest continent stretches from Japan and Indonesia across central Asia to the Arab World. It is the spiritual focus of such great religions as Islam, Buddhism, Confucianism and Hinduism and home to nearly 60 percent of the earth's population. Asia's economies are poised to surpass those of Europe and North America within the next fifty years, and yet Westerners have done little to adjust their attitudes in light of present-day realities. In order to avoid a "clash of civilizations", the author believes that a great deal of self-reflection with be required by all concerned. His analysis of the past and his predictions for the future are a wake-up call to Asians and Westerners alike.

Expansão empresarial portuguesa na China

.
______________

De facto, ainda persiste um relativo desconhecimento do mercado chinês por parte de alguns empresários portugueses. Creio que esta situação não se deve à falta de suporte diplomático, visto que tal suporte é fundamentalmente exigido num gigante económico que revela uma taxa de crescimento que ronda os 10%, e que recentemente é considerado o “Eldorado” dos negócios internacionais e, com o tempo, dos negócios portugueses.
Nos dias de hoje, é crucial que se assegure uma melhor articulação, que se revela cada vez mais incontornável, entre as empresas nacionais e do aparelho diplomático português na China, visto que esta, no primeiro semestre de 2008, ficou na décima posição como destino das exportações portuguesas extracomunitárias[1]. Certamente, daqui a uma década, a China tornar-se-á na maior potência económica mundial, a seguir aos Estados Unidos, tendo actualmente 1,3 mil milhões de habitantes e uma classe média de 200 milhões de pessoas.
O número de empresas portuguesas a investirem no mercado chinês, onde existe um pouco mais de meio milhão de empresas estrangeiras, continua a ser reduzido. Para que o número aumente, é necessário que ocorra uma mudança das mentalidades por parte dos empresários portugueses e que encarem o mercado chinês, não como uma ameaça mas, sim, como uma oportunidade a ser aproveitada a longo-prazo, devendo igualmente estar atentos às oportunidades que aquele mercado proporciona às empresas estrangeiras. Além disso, tal como refere Fernanda Ilhéu, “as empresas portuguesas deverão perceber que a persistência empresarial é um pré-requisito para competir com sucesso na China, e têm que aprender com os seus erros no mercado chinês e mudar a sua estratégia sempre que necessário”[2].
Devido à complexidade do meio envolvente de negócios na China, é certo que as empresas portuguesas requerem um maior apoio do governo português no que toca à definição e desenvolvimento de uma entrada estratégica no mercado chinês. A acção diplomática daquele governo junto do governo chinês, no que respeita à internacionalização das empresas portuguesas, é fundamental, sobretudo se tivermos em conta que o governo chinês continua a ter um papel muito interventivo na economia do país e no processo de decisão de muitas empresas chinesas.

[1] Basílio Horta, “Diplomacia Económica e a Internacionalização da Economia Portuguesa”, Seminário Diplomático, MNE, 07 de Janeiro de 2008 (consultado a 25 de Maio de 2008).
[2] Fernanda Ilhéu, A Internacionalização das Empresas Portuguesas e a China, Coimbra, Almedina, 2006, p.155.

Caixa Geral de Depósitos

A 04 de Maio, pelas 16:20, enviei um questionário, via e-mail, ao Dr. José Mata, Director da Subsidiária Offshore da Caixa Geral de Depósitos (CGD) em Macau. Obtive uma resposta sua no dia 29, às 11:02. A transcrição da entrevista encontra-se abaixo.
O Banco Nacional Ultramarino (BNU) iniciou a sua actividade em Macau em 1902 através da abertura de uma sucursal, sendo o único banco emissor até 20 de Dezembro de 1999. A partir de então, o BNU partilha o estatuto de banco emissor com o Banco da China. Com a fusão do BNU e da CGD, a sucursal de Macau passou, a partir de 2001, a ser uma subsidiária da CGD com sede no território, cujo capital social é detido integralmente pela CGD.
O processo de entrada do banco no mercado chinês foi conduzido pelo BNU em Macau, pelo conhecimento e pelo relacionamento directo com as autoridades de Pequim. É evidente que existe sempre uma interligação entre o Estado português e a banca portuguesa, nomeadamente ao nível da articulação para a concretização de negócios bilaterais.
A abertura de uma sucursal ou banco em qualquer país depende da autorização das autoridades monetárias locais. Por exemplo, a abertura da sucursal da CGD em Zhuhai (1993) e da BNU em Xangai (2006) dependeu da Comissão de Supervisão Bancária da China, e não das entidades portuguesas. A única entidade portuguesa que “entrou” no processo foi o Banco de Portugal por força de a CGD, como accionista do BNU, ter a sua sede em Portugal.
José Mata considera que Xangai é o centro financeiro e/ou comercial mais importante da China, logo faria todo o sentido que o maior banco português, a CGD e cujo accionista é o Estado, estivesse presente, através do BNU em Macau, para apoiar as empresas portuguesas, elaborar estudos de mercado e prestar serviços em articulação com a sede.A presença do BNU em Macau antes de 1999 deriva fundamentalmente quer da política ultramarina do Estado Novo (até 1974), quer do facto de ser o banco emissor. Após 1999 houve a necessidade da CGD estar presente “naquela zona do Mundo”, onde estão localizadas várias Zonas Económicas Especiais e duas Regiões Administrativas Especiais, e que apresenta os maiores índices de crescimento da China, quer a nível industrial quer a nível comercial.

YDreams

No dia 04 de Abril, à 01:52, enviei um e-mail para Karina Israel, Directora de Publicidade da YDreams, com algumas perguntas acerca da internacionalização da empresa. Após um período de alguma espera, a market manager da YDreams, Mariana Salgado, respondeu-me ao e-mail, a pedido de Karina Israel, no dia 02 de Maio, às 18:00, salientando que iria fazer os possíveis para me facultar alguma informação para a prossecução do presente trabalho. Recebi um outro e-mail seu às 15:49 do dia 14 de Maio, que dizia que o Director da área de Educação e Cultura da YDreams, Edmundo Nobre, se comprometia a responder às minhas questões via telefone. Dois dias depois, pelas 18:10, Edmundo Nobre telefonou-me, tendo a entrevista durado aproximadamente 15 minutos.
A YDreams teve o seu primeiro contacto com o mercado chinês na sequência da visita do antigo Presidente da República, Jorge Sampaio, à China em 2005. “De facto, não fazia parte dos nossos planos avançar para a China. Mas, como integrámos a comitiva empresarial que acompanhava Jorge Sampaio, começámos a ponderar efectivamente em evoluirmos e avançarmos para aquele país, até porque foram assinados alguns protocolos com parceiros locais, por ocasião da visita”, disse o Director da área de Educação e Cultura da empresa.
A YDreams encontra-se representada através da YMeng (“YDreams” em mandarim), uma joint-venture com a empresa chinesa NDD e detida em 50% pela YDreams, e que está sediada em Xangai. Edmundo Nobre considerou que a empresa entrou para o mercado chinês “numa boa altura”, em que as oportunidades pareciam ser superiores às dificuldades.
Foi igualmente destacado o apoio que a YDreams teve da AICEP e da Embaixada de Portugal em Pequim durante a sua fase de expansão no Império do Meio. Aliás, a AICEP e a YDreams trabalharam bastante em conjunto antes e durante a visita do actual Primeiro-Ministro à China, em 2007. No decorrer desta visita, José Sócrates inaugurou a Exposição “Future Dream Experience: China-Portugal Innovation 2007”, organizada pela YDreams, em que foram apresentados uma série de tecnologias e produtos inovadores e de elevada qualidade, nomeadamente o jogo interactivo do Cristiano Ronaldo para telemóveis. “Só no âmbito comercial é que não nos sentimos necessitados de recorrer ao apoio das entidades estatais portuguesas”, acrescentou Edmundo Nobre.
Neste momento, a YDreams encontra-se numa fase de reestruturação, uma vez que o mercado chinês não tem respondido de acordo com as expectativas da empresa. Segundo Edmundo Nobre, “desinvestimos um pouco na China, pelo menos por enquanto. O mercado chinês é, de facto, um mercado estratégico, ou seja, para que as empresas estrangeiras continuem a manter na China os respectivos negócios é necessário que elas tenham alcançado um patamar de consolidação bastante estável. Presentemente, resolvemos focarmo-nos em mercados considerados mais estáveis, que nos dão mais garantias, nomeadamente os Estados Unidos, a Espanha e o Brasil”. As palavras do Director da área de Educação e Cultura da empresa são, de certa forma, confirmadas pela jornalista Ana Rita Guerra[1], segundo a qual a YDreams pôs fim à aliança com a chinesa NDD, tendo saído de Xangai, embora planeie investir na terceira praça financeira mundial, Hong Kong.
Enquanto durou a entrevista, cheguei à conclusão que a YDreams ficou satisfeita com o papel desempenhado pelo Estado português no sentido da diplomacia económica, em geral, e do apoio à internacionalização da empresa no mercado chinês.


[1] Ana Rita Guerra, “Ydreams extingue aliança com parceiro chinês”, in Diário Económico, 28 de Fevereiro de 2008.

Edeluc Consulting & Investments

No dia 04 de Abril, pelas 19:05, enviei um questionário, via e-mail, à Edeluc Consulting & Investments. O managing partner da Edeluc, Fernando Costa Freire, respondeu-me no dia seguinte, propondo que nos reuníssemos no dia 08, às 11:00, na sede da empresa, em Lisboa. E assim desloquei-me à empresa no mesmo dia, à hora combinada, tendo a entrevista durado aproximadamente 40 minutos.
A Edeluc, vocacionada para a consultoria e investimentos, é uma empresa portuguesa de capitais exclusivamente privados e é constituída por sócios portugueses e chineses. Actualmente é a consultora líder em Portugal na criação de negócios com a China. Além disso, a Edeluc é concessionária de uma área da Zona de Processamento de Exportações (ZPE) em Weifang, na província de Shandong.
O processo de expansão da Edeluc na China teve início em 2004 e encontra-se agora em fase terminal, com a finalização de um projecto imobiliário industrial seu. Em 2005, a empresa garantiu a concessão por 50 anos de uma área industrial de 500.000 m² na ZPE em Weifang. Chegámos receber apoio financeiro por parte do Governo chinês, embora nunca tenhamos soliticado tal apoio”, disse Fernando Freire.
O apoio político-diplomático solicitado pela Edeluc foi sempre conseguido, sobretudo a partir de 21 de Abril de 2006, em que a empresa contou com a visita do Secretário de Estado do Comércio, Manuel Serrasqueiro, e do Embaixador de Portugal em Pequim, António Santana Carlos à sua concessão da ZPE de Weifang. Esta visita aconteceu na sequência da deslocação de uma missão empresarial, organizada conjuntamente pela Edeluc e pela AICEP, ao Fórum Internacional de Cooperação e Desenvolvimento de Weifang. “A verdade é que, desde a inauguração da AICEP em Xangai, temos vindo a receber inequivocamente mais apoio desta delegação do que da própria Embaixada e da AICEP em Pequim. Se olharmos para o mapa da China chegamos à conclusão de que Xangai está mais perto de Weifang. Apesar disso, estamos gratos com o apoio que nos foi concedido até agora”, acrescentou.
O mesmo não se pode dizer em relação às entidades privadas. A Edeluc também solicitou o apoio da Associação Industrial Portugal (AIP) e da Associação Nacional de Jovens Empresários (ANJE), as quais não deram nenhuma resposta àquele pedido. “Calculo que ambas as associações não tenham manifestado nenhum interesse no que a Edeluc tem vindo a desenvolver desde que se expandiu para a China. Quando solicitámos o seu apoio, não pretendíamos que as associações nos dessem dinheiro mas, sim, mostrar-lhes que o nosso projecto imobiliário industrial em Weifang era interessante”, justificou Fernando Freire.
Não obstante, a Edeluc assinou, em Junho de 2006, um protocolo de cooperação com uma entidade privada, a Câmara de Comércio e Indústria Luso-Chinesa. “Este acordo”, explicou Fernando Freire, “é o resultado dum propósito firme de ambas as instituições em unir competências e recursos, e conjuntamente apoiar as empresas portuguesas que desejem estabelecer negócios com a China. Resumidamente, o acordo visa a colaboração das duas partes no fomento e dinamização das relações económicas e comerciais entre Portugal e a China, e o entrosamento entre empresas e instituições de ambos os países”.
Finalmente, o managing partner da Edeluc deu a sua opinião pessoal sobre o papel do Estado enquanto motor da diplomacia económica. Salientou que a diplomacia económica é fundamental nos dias de hoje, uma vez que se assiste a uma progressiva preponderância dos assuntos económicos sobre os assuntos políticos. Portugal, em particular, só se apercebeu da necessidade da diplomacia económica a partir da década de 90, tendo posteriormente o Governo de Durão Barroso dado uma maior ênfase àquela diplomacia, e o Governo de José Sócrates promovido um maior apoio à internacionalização das empresas nacionais.“Porém, persiste a ideia de que o Estado português apenas apoia as grandes empresas. Esta ideia deve ser posta de lado, porque todos os negócios internacionais, sejam de PMEs ou de grandes empresas, carecem de ser apoiados pelas Embaixadas, em articulação com a AICEP, ou até mesmo por entidades privadas. Num mundo cada vez mais globalizado, em que os BRIC se afirmam cada vez mais como potências económicas, se as empresas portuguesas não puderem contar com o apoio estruturado das Embaixadas, da AICEP ou até mesmo das Associações Empresariais, as dificuldades de internacionalização serão, sem dúvida, maiores do que se puderem contar com aquele apoio”, concluiu.

Efacec

A 04 de Abril, pelas 13:30, enviei um e-mail com um questionário abaixo referido à Efacec, empresa do sector energético. Passados três dias, às 16:06, obtive uma resposta de Clara Magalhães Salgado, responsável pelo Departamento de Sistemas de Gestão da Efacec, que me disse que a empresa não estava numa altura apropriada para me responder às questões colocadas. A Efacec possui uma filial em Macau exclusivamente comercial e uma pequena participação numa empresa industrial na cidade de Liaoyang. Com base nesta resposta, podemos concluir que, para além de ter uma representação muito pequena na China, a Efacec poderá estar, neste momento, a atravessar uma fase pouco brilhante, possivelmente marcada pela forte concorrência das empresas estrangeiras do mesmo sector, ou então pelo facto de o mercado chinês não estar a corresponder às expectativas da empresa, dadas as inúmeras vicissitudes que nele se verificam, o que poderá dificultar o processo de internacionalização da empresa.

Internacionalização empresarial: o caso da República Popular da China

A internacionalização empresarial constitui um requisito obrigatório, na medida em que é uma forma de assegurar a competitividade e o desenvolvimento sustentado das empresas, principalmente nos dias de hoje, fundamentalmente marcados pela globalização dos mercados e da concorrência, em particular no caso das Pequenas e Médias Empresas (PMEs). O Decreto-Lei n.º 372/2007 define PMEs como “empresas que empregam menos de 250 pessoas e cujo volume de negócios anual não excede 50 milhões de euros ou cujo balanço total anual não excede 43 milhões de euros”.
Os agentes económicos perspectivam a internacionalização empresarial de duas formas: defensivamente, de modo a fazer face à concorrência internacional, e ofensivamente, para tirar partido da globalização dos mercados. O segundo caso é, sem dúvida, aquele que mais se aplica às empresas portuguesas presentes na China, dada a abertura cada vez mais incontornável do mercado chinês, acompanhado de um crescimento económico acelerado e gerador de oportunidades.
Num total de 22 empresas portuguesas (presentes na China) contactadas[1], apenas obtive quatro respostas, uma das quais negativa. As respostas afirmativas vieram da Edeluc Consulting & Investments, da Y Dreams e da Caixa Geral de Depósitos, enquanto que a única negativa veio da Efacec.

[1] Abyss & Habidecor, Banco Comercial Português (BCP), Banco Espírito Santo (BES), Caixa Geral de Depósitos (CGD), Cargogal, Cimpor, Consulgal, Edeluc Consulting & Investments, Energias de Portugal (EDP), Efacec, Fabricor, Grupo Amorim, Hovione, Instituto de Soldadura e Qualidade (ISQ), Market Access, Portugal Telecom (PT), Profabril, Salsa Jeans, Sociedade Portuguesa de Inovação (SPI), Tekever, Vinocor e YDreams.

Thursday, September 11, 2008

Stand Up Against Poverty

.
Sometimes pictures are LOUDER than words...


Monday, July 21, 2008

A Guerra Civil no Sri Lanka


A guerra civil não é um fenómeno recente. A Rebelião Tai Ping[1] na China (1850-1864), por exemplo, provocou cerca de 30 milhões de baixas, constituindo assim a guerra mais sangrenta de sempre, a seguir às duas guerras mundiais. A disputa pelo poder é um facto bem patente numa guerra civil, na qual parte da população de um Estado entra em luta contra o governo estabelecido desse mesmo Estado. Embora seja um conflito interno, existe uma tendência crescente para a internacionalização desse tipo de guerra. Recorrendo a uma definição mais completa de guerra civil, trata-se de “um conflito armado de tipo clássico[2], e intranacional, de âmbito geral com incidências internacionais limitadas, visando a satisfação de interesses ideológicos e políticos cuja realização se afigura impossível por via pacífica, pelo menos para uma das partes em afrontamento”[3]. Resumindo, a guerra civil constitui uma forma de subversão.
A Guerra Civil do Sri Lanka, que opõe o LTTE às forças governamentais, constitui, de longe, uma das guerras internas mais brutais do momento, tendo provocado mais de 70 mil mortos desde 1983[4], ano em que a guerra começou. Para compreendermos como tudo se iniciou, analisaremos, então, as principais causas desta guerra.


1.1. O contributo do passado colonial

É certo que a guerra civil constitui um fenómeno que ocorre sistematicamente nas antigas colónias, principalmente nos continentes africano e asiático. Tal como refere António de Sousa Lara[5], “a guerra civil é uma consequência sistemática do período pós-colonial”. O antigo Ceilão ficou, ao longo de 443 anos, sob domínio de três impérios europeus: português, holandês e britânico[6].
Recuando vários séculos, os portugueses ocuparam as áreas costeiras da ilha nos primórdios do século XVI, mais concretamente em 1505, e estabeleceram um acordo comercial com o Reino Cingalês de Kotte[7]. Posteriormente, os portugueses foram conquistando outros reinos cingaleses e tamil, nas redondezas de Kotte, tendo igualmente introduzido o Cristianismo católico. No entanto, a introdução do catolicismo na ilha não fora visto com bons olhos pelos diversos reinos cingaleses e tamil que, embora predominantemente budistas e hindus, repudiavam o catolicismo pelo facto de o considerarem uma religião altamente intolerante, facto que contribuiu para o início de uma série de fricções entre portugueses, cingaleses e tamil.
De seguida, os portugueses foram sucedidos pelos holandeses, os quais governaram a ilha ao longo de 138 anos (1658-1796), através dos seus governadores militares representantes da Dutch East India Company. Embora considerados religiosamente mais tolerantes que os portugueses, uma vez que eram protestantes, os holandeses ficaram com o total controlo do comércio de especiarias.
A partir de 1815 foi a vez do domínio da ilha pelos britânicos, que iniciaram a exploração de variadíssimos produtos, como o milho, o cacau, o café, o chá, entre outros. De facto, a exploração de tais produtos exigia mais mão-de-obra do que aquela que era proporcionada pela ilha, pelo que os britânicos tiveram de recrutar milhares de indivíduos oriundos do estado indiano de Tamil Nadu para trabalharem nas plantações agrícolas no Ceilão. Estes indivíduos eram os chamados “tamil indianos”, os quais eram diferentes dos tamil que tinham habitado no Sri Lanka ao longo de 900 anos[8], embora fossem etnicamente semelhantes.
Os três séculos de domínio holandês e britânico envolvendo a exploração económica do Ceilão puseram em causa o modo de vida dos seus habitantes, mas foram efectivamente os britânicos os principais responsáveis pelas rivalidades étnicas que ainda perduram na ilha. De um modo geral, os cingaleses e os tamil co-habitavam num ambiente de paz, com ocasionais disputas territoriais; mas foi, sem dúvida, a partir da introdução de um um terceiro grupo, os “tamil indianos”, que os 900 anos de coexistência entre cingaleses e tamil foram severamente postos em causa, alterando profundamente as estruturas políticas, económicas, religiosas e sociais no Ceilão, actual Sri Lanka.


1.2. O período pós-1948

A Guerra Civil do Sri Lanka constitui uma herança pesada do imperialismo ocidental. “A guerra civil em países saídos da dominação colonial tem, necessariamente, fundamentos diversos. Mas parece sistemática a causa das divergências culturais, no seio de Estados cujas fronteiras obedecem a uma lógica externa e não ao xadrez étnico ou nacional subjacente, bem como à intervenção de potências imperialistas exteriores, e da sua manipulação das partes em confronto em função de interesses de natureza económica e estratégica”[9]. Quer isto dizer que os Estados que outrora estiveram sob domínio europeu ou ocidental, assim como as respectivas fronteiras [artificiais], foram traçados de acordo com os interesses (políticos, estratégicos e económicos) dos antigos colonizadores, o que criou divisões profundas no seio desses mesmos Estados, devido à “(...) inclusão no mesmo Estado de tribos e etnias completamente distintas, muitas vezes inimigas históricas, cujas relações foram, de uma maneira geral, caracterizadas pela animosidade e virulência”[10].
O período imediatamente a seguir à independência da ilha, 1948, vem confirmar o que foi anteriormente referido: uma vez eleito o primeiro Primeiro-Ministro do Ceilão, Stephen Senanayake, este criou imediatamente uma legislação que negava a cidadania aos tamil oriundos da Índia, mais concretamente do estado de Tamil Nadu, de forma a preservar a hegemonia cingalesa. Tal situação, como era de esperar, enfureceu os tamil que também aspiravam a representar o novo governo. Assistiu-se a um agudizar das tensões étnicas entre cingaleses e tamil na sequência da criação do Partido Federal Tamil, em 1949, o qual advogava a criação de um Estado Tamil no Ceilão.
Embora o ano de 1972 tenha sido marcado pela entrada em vigor de uma nova Constituição, que praticamente revolucionou a vida política na ilha, a começar pela atribuição ao Ceilão de uma nova designação (“Sri Lanka”), os tamil continuavam a ser alvos de constantes discriminações pelo domínio cingalês. “The Tamil people still were not given the right to speak their language”[11]. Deste modo, os tamil aperceberam-se de imediato que a secessão era necessária e urgente, e que a não-violência não seria, decerto, a melhor táctica para a prossecução do seu objectivo final: a criação de um Estado Tamil independente.
É precisamente neste contexto que surge uma organização separatista tamil altamente militarizada e poderosa, os Tigres de Libertação de Tamil Eelam (LTTE - Liberation Tigers of Tamil Eelam), responsável por uma das maiores atrocidades cometidas a partir da década de 70 do século XX.


[1] Guerra civil que opôs os rebeldes liderados por um cristão ortodoxo, Hong Xiuquan (auto-proclamado irmão de Jesus Cristo), às forças da Dinastia Qing, estas apoiadas pelos franceses e britânicos numa fase posterior.
[2] A guerra civil é uma guerra convencional, visto que está conforme as “regras” da guerra clássica, em que pelo menos dois exércitos se opõem militarmente. O mesmo não se pode dizer em relação ao conflito entre uma guerrilha e um exército convencional, pois neste caso estamos perante uma guerra de guerrilha.
[3] Cfr. António de Sousa Lara, Imperialismo, Descolonização, Subversão e Dependência, ISCSP, Lisboa, 2002, pp. 70-71.
[4] Reuters India, “Sri Lanka military, rebels trade death toll claims”, 01 de Março de 2008 (disponível em http://in.reuters.com/article/southAsiaNews/idINIndia-32243020080301, consultado a 13 de Junho de 2008).
[5] Cfr. António de Sousa Lara, op. cit., p. 71.
[6] Matt Fehrs, “Ethnic Conflict in Sri Lanka: The Sinhalese and Tamils”, Global Dialogues Institute, July 2005, p. 06 (disponível em http://www.tip.duke.edu/summer_programs/international_affairs/position_paper_2005.pdf, consultado a 11 de Junho de 2008).
[7] Kotte situa-se na zona suburbana da capital do Sri Lanka, Colombo.
[8] Matt Fehrs, op. cit., p. 07.
[9] Cfr. António de Sousa Lara, op. cit., p. 71.
[10] Idem, ibidem, p. 72.
[11] Michael Fehrs, op. cit., p. 09.

(Esta constitui apenas uma parte do trabalho intitulado "Os Tigres de Libertação de Tamil Eelam", por mim realizado no âmbito da disciplina de Subversão e Novas Ameaças, especialização Segurança e Informãções, do 4º ano de Relações Internacionais - Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas [ISCSP], Universidade Técnica de Lisboa)

Wednesday, June 11, 2008

Diplomacia Económica: o que é?

Definir Diplomacia suscita algumas dificuldades pelo facto de não haver nenhuma definição consensual daquele conceito. De um modo geral, quando se coloca a questão “O que é a Diplomacia?” verifica-se uma enorme tendência para responder que a diplomacia é simplesmente a actividade exercida por diplomatas. Para além de apresentar profundas lacunas, esta definição não se adequa, de modo algum, à época em que vivemos, marcada por um certo decréscimo do papel exercido pela generalidade dos diplomatas, devido à existência de novos actores internacionais. Assim, considero aceitável definir Diplomacia como “a gestão das relações entre Estados e outras entidades da política mundial, por meios pacíficos e com o uso de agentes oficiais”[1].
Por outro lado, há que ter igualmente em atenção que Política Externa e Diplomacia não se confundem, isto é, não significam a mesma coisa. Segundo José Calvet de Magalhães[2], Política Externa pode definir-se como o conjunto das decisões e acções de um Estado em relação ao domínio externo. Já a Diplomacia, de acordo com o mesmo autor, consiste num instrumento de política externa, para o estabelecimento e desenvolvimento de contactos pacíficos entre os governos de diferentes Estados, pelo emprego de intermediários, mutuamente reconhecidos pelas respectivas partes.
Relativamente às funções da diplomacia, estas encontram-se juridicamente regulamentadas, mais concretamente pela Convenção de Viena sobre Relações Diplomáticas, de 18 de Abril de 1961. No seu artigo 3º encontram-se descriminados os elementos fundamentais da actividade diplomática: a representação, a informação, a negociação, a protecção e a promoção. Embora a extensão externa do serviço público seja objecto da Convenção de Viena sobre Relações Consulares, de 24 de Abril de 1963, o segundo parágrafo da Convenção de Viena de 1961 afirma que “nenhuma disposição da presente Convenção poderá ser interpretada como impedindo o exercício das funções consulares pela missão diplomática”. Simultaneamente, o art. 3º da Convenção de Viena 1963 diz que “as funções consulares serão exercidas por postos consulares. Serão também exercidas por missões diplomáticas em conformidade com as disposições da presente Convenção”.
O estudo da diplomacia, seja ele breve ou profundo, requer obrigatoriamente o conhecimento e a consequente análise de cada um dos diferentes ramos da diplomacia: Diplomacia Cultural, Diplomacia Pública, Diplomacia Política, Diplomacia Militar, Diplomacia Desportiva[3], Diplomacia Económica e a Science and Technology Diplomacy. A Diplomacia Económica constitui o ramo da diplomacia que merece um tratamento especial, pelo menos no presente trabalho.
A globalização da economia – induzida pela liberalização e internacionalização do comércio, dos investimentos e dos movimentos de capitais – veio gerar uma maior interdependência entre os Estados e as respectivas economias. Potenciada pelo desenvolvimento e pela progressiva sofisticação das novas tecnologias de comunicação e informação, a interdependência entre as diversas economias veio confirmar que os Estados deixaram de ser os únicos actores das relações económicas internacionais, as quais passaram a integrar entidades privadas como as empresas multinacionais ou transnacionais, os grupos de interesse e as Organizações Não-Governamentais (ONGs). Da mesma forma, o surgimento de organizações internacionais, quer regionais, quer multilaterais, também contribuiu para que os Estados perdessem o monopólio enquanto actores únicos da cena internacional.
Sem dúvida, cada vez mais a economia desempenha um papel fulcral em todos os sectores da vida das sociedades, em geral, e dos indivíduos, em particular. A diplomacia não fica igualmente de fora. Com o fim da Guerra Fria, marcada pela queda do Muro de Berlim e pela consequente dissolução da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS), as relações diplomáticas deixaram de se centrar unica e exclusivamente em questões relacionadas com a política e a segurança, passando a focar cada vez mais na vertente económica da diplomacia. Significa isto que o conceito de diplomacia económica ganhou preponderância, em detrimento das questões mais tradicionais da agenda diplomática, isto é, a diplomacia clássica ou “pura”.
Joaquim Ramos Silva[4] salienta que a diplomacia económica moderna possui três fases:

· Primeira Fase (da segunda metade do século XIX até à 1ª Guerra Mundial)
A diplomacia económica identificava-se essencialmente com políticas agressivas e de partilha do mundo por parte de um número reduzido de potências, visando a obtenção de vantagens económicas pela subjugação colonial de outros povos.

· Segunda Fase (desde o fim da 1ª Guerra Mundial até aos anos 70)
Devido ao colapso ordem económica internacional anterior, a diplomacia económica centrava-se sobretudo nas negociações e acordos multilaterais, nomeadamente no que diz respeito aos pagamentos internacionais, ao restabelecimento da ordem comercial, à estabilização e à luta contra as depressões.

· Terceira Fase (desde os anos 80 até à actualidade)
Crescem as preocupações dos diplomatas com vista a acompanhar e estimular a actividade das empresas (quer abrindo caminho e apontando oportunidades “às suas” no exterior, a nível do comércio, investimento ou outro, quer procurando atrair as empresas estrangeiras a solo nacional), visando dar a sua contribuição para o alcance de objectivos económicos nacionais de bem-estar, competitividade, entre outros.

Tal como acontece com a diplomacia clássica ou “pura”, não há nenhuma definição única e consensual de diplomacia económica, da mesma forma que não existe uma Teoria da Diplomacia Económica[5]. Não obstante, uma definição aceitável e adequada do fenómeno é a que se encontra explícita na terceira fase da diplomacia económica moderna, embora hajam mais algumas, como veremos adiante. Se analisarmos com alguma atenção esta última fase, chegamos à conclusão que a crescente importância das relações económicas internacionais obrigou os embaixadores e os diplomatas em geral a compreenderem objectivos de natureza económica e comercial na acção diplomática. Tal contribuiu para o surgimento da figura do conselheiro ou adido económico no seio das missões diplomáticas ao mesmo tempo que foram criadas, pelos diferentes países, entidades, quer públicas quer privadas, com o intuito de prestar apoio à internacionalização das economias nacionais e promover o comércio e o turismo. No caso português, destacam-se a AICEP Portugal Global, o Instituto de Turismo, o Instituto de Apoio às Pequenas e Médias Empresas e ao Investimento (IAPMEI), as Câmaras de Comércio e Indústria bilaterais, a Associação Industrial Portuguesa (AIP), entre outros.
Sendo essencial ao crescimento económico de qualquer país, a diplomacia económica ganhou preponderância graças ao fenómeno da globalização e resulta da combinação entre economia e diplomacia. Segundo Carron de la Carrière, a diplomacia económica consiste na “procura de objectivos económicos por meios diplomáticos, que não se apoiam apenas em instrumentos económicos para o fazer”[6]. Por seu turno, o antigo Ministro dos Negócios Estrangeiros, Embaixador António Martins da Cruz, define diplomacia económica da seguinte forma: “é mais do que a simples soma da economia e da diplomacia, pois pressupõe uma harmonização de interesses nacionais e internacionais que, de outra forma, seriam tratados separadamente com os custos provenientes. A diplomacia económica não tem efeitos apenas nas esferas internacionais ou empresariais, ela mostra consequências ao nível do emprego, do ambiente, do desenvolvimento regional, e isso reflecte-se directamente na vida dos cidadãos – beneficiários últimos deste processo”[7]. Finalmente, seria deveras inconcebível colocarmos de lado a definição explícita na Resolução do Conselho de Ministros n.º 152/2006, a saber: “a diplomacia económica é entendida como a actividade desenvolvida pelo Estado e seus institutos públicos fora do território nacional, no sentido de obter os contributos indispensáveis à aceleração do crescimento económico, à criação de um clima favorável à inovação e à tecnologia, bem como à criação de novos mercados e à geração de emprego de qualidade em Portugal”[8].
Em suma, a diplomacia económica possui duas vertentes principais: a) as políticas externas económica e comercial, que visam o relacionamento bilateral, regional e multilateral[9]; e, finalmente, b) a promoção internacional das exportações de bens e serviços e do investimento directo estrangeiro, essencialmente bilateral, mas onde não se pode esquecer uma vertente multilateral, bastante significativa.

[1] Hedley Bull, A Sociedade Anáquica: Um estudo da ordem na política mundial, Editora Universidade de Brasília, São Paulo, 2002, p. 187.
[2] Cfr. José Calvet de Magalhães, Diplomacia Pura, Bertrand Editora, Lisboa, 1996.
[3] Para uma melhor compreensão do fenómeno, ver: Alexandre Mestre, “Diplomacia Desportiva Internacional”, Centro de Investigação e Análise em Relações Internacionais (disponível em www.ciari.org/investigacao/diplomacia_desportiva_internacional.pdf, consultado a 05 de Maio de 2008).
[4] Joaquim Ramos Silva, Estados e Empresas na Economia Mundial, Editora Vulgata, Lisboa, 2002.
[5] Manuel Farto, “A diplomacia económica contemporânea”, in Janus, 2006 (consultado a 03 de Maio de 2008).
[6] Carron de la Carrière, La diplomatie économique, Economica, Paris, 1998.
[7] Embaixador António Martins da Cruz, “Diplomacia Económica”, in Elsa Dinis, ed., “Seminário de Práticas Diplomáticas”, Textos Policopiados, ISCSP, Lisboa, 2006.
[8] Resolução do Conselho de Ministros n.º 152/2006, in Diário da República, 1ª série, N.º 216, 09 de Novembro de 2006 (disponível em http://dre.pt/pdf1sdip/2006/11/21600/77837784.PDF, consultado a 01 de Maio de 2008).
[9] A diplomacia económica bilateral ocorre entre representantes de dois Estados (Embaixadores Chefes de Governo, Ministros dos Negócios Estrangeiros, Ministros da Economia e Ministros das Finanças). Os outros dois tipos de diplomacia económica – regional e multilateral – ocorrem em organizações de âmbito regional (por exemplo, União Europeia, Organização para a Cooperação de Xangai, ASEAN, MERSOCUL, etc) e internacional (OMC, FMI, Banco Mundial, etc).

Tuesday, June 03, 2008

O Movimento Islâmico do Turquestão Oriental como alvo do contra-terrorismo da República Popular da China

1. A República Popular da China no combate ao terrorismo

Na sequência dos ataques do 11 de Setembro contra as torres gémeas do World Trade Center, em Nova Iorque, e o Pentágono, em Washington, a China lançou a sua própria “guerra ao terror”. Segundo as autoridades de Pequim, o termo terroristas passou a incluir todos aqueles indivíduos que lutam por um estado independente na província de Xinjiang, a qual os separatistas designam por Turquestão Oriental[1].
No dia a seguir aos ataques que mudaram o mundo, o então presidente chinês Jiang Zemin telefonou a George W. Bush, expressando as suas condolências e, ao mesmo tempo, oferecendo a cooperação da República Popular da China na luta contra o terrorismo e o extremismo islâmico. A 21 de Setembro, o Ministro dos Negócios Estrangeiros chinês de então, Tang Jiaxuan, afirmou que “o 11 de Setembro veio mostrar que o terrorismo internacional se tornou uma verdadeira ameaça à paz e estabilidade mundiais”[2], acrescentando que a cooperação internacional era urgentemente necessária.
De facto, a violência separatista em Xinjiang não constitui algo de novo nem primariamente conduzida por forças exteriores. O povo uigur, cuja grande maioria pratica o Islão Sufi[3], tem sempre visto as suas ambições nacionais completamente frustradas por Pequim, ao contrário do que aconteceu com os países da Ásia Central, que viram concretizadas as respectivas independências com o colapso da União Soviética. Assim sendo, o sentimento de frustração dos uigurs acabou por se reflectir na violência dos actos praticados pelo ETIM a partir da década de 90, tal como vimos anteriormente.
Desde o 11 de Setembro, a Região Autónoma Uigur de Xinjiang, que faz fronteira com oito países[4], atraiu uma atenção crescente por ser, durante muito tempo, a pátria da minoria muçulmana uigur e de um movimento separatista, o ETIM, o qual tem vindo a lutar por um estado islâmico independente – o Turquestão Oriental –, governado por uigurs. A resposta do governo de Pequim ao terrorismo não se fez esperar, revelando-se brutalmente draconiana[5], mesmo quando comparada à dos Estados Unidos.
A 29 de Novembro de 2001, o Código Penal chinês foi revisto uma vez mais, no sentido do aumento da aplicação da pena de morte. As alterações efectuadas, em vigor até aos dias de hoje, indicavam especificamente que crimes de terrorismo correspondiam automaticamente a uma pesada pena de prisão e a uma considerável aplicabilidade da pena capital. Bastava um indivíduo ser membro de um grupo separatista, independentemente dos actos que cometeu ou não, para que tal fosse considerado pura e simplesmente crime de terrorismo. Tal como refere Marika Vicziany, e muito bem, “splittism, separatism and insurgency are punishable by death in China”[6]. Tudo isto foi feito a pensar na batalha contra o ETIM, fazendo ela parte da luta global contra o terrorismo internacional.
Em Janeiro de 2002, o governo chinês publicou um documento[7] onde estavam descritas todas as actividades efectuadas pelas forças terroristas do Turquestão Oriental. O documento afirma que aquelas forças terroristas conduziram uma campanha de “bombing and assassinations”, consistindo em mais de duzentos incidentes que resultaram em mais em cem mortos e mais de quatrocentos feridos. De facto, foi a primeira vez que as autoridades chinesas proporcionaram informações específicas acerca da violência em Xinjiang. O documento também menciona que o ETIM recebeu treino e apoio financeiro de membros da Al-Qaeda no Afeganistão e Paquistão, incluindo o financiamento directo de Osama Bin Laden.
Em Agosto de 2002, a administração de George W. Bush anunciou o congelamento dos bens do ETIM pelos Serviços de Controlo de Bens Estrangeiros. Um mês a seguir, a pedido dos Estados Unidos, China, Afeganistão e Quirguistão, a Organização das Nações Unidas (ONU) designou o ETIM como organização terrorista, de acordo com as resoluções 1267 e 1390 do Conselho de Segurança, adicionando-o na lista de grupos terroristas com ligações a Bin Laden e à network da Al-Qaeda. A ONU acrescentou que, para além da província de Xinjiang, as células do ETIM operavam no Quirguistão, Uzbequistão, Cazaquistão, Paquistão e Afeganistão. As autoridades norte-americanas, partindo da informação que lhes foram dadas pelos militantes uigurs detidos em Guantanamo Bay[8], alegavam que as relações do ETIM com a Al-Qaeda eram fortemente estreitas e não informais apenas.
A China criou o seu próprio Grupo de Coordenação Anti-Terrorista, liderado pelo actual presidente Hu Jintao. Graças à criação do grupo, o governo chinês tem conseguido alcançar resultados brilhantes, nomeadamente no que se refere ao reforço de mecanismos anti-terroristas desde o 11 de Setembro. As capacidades do ETIM foram severamente enfraquecidas logo a seguir à intervenção norte-americana no Afeganistão e aos subsequentes ataques às bases terroristas. No entanto, quando as atenções passaram a estar mais centradas no Iraque, com a invasão norte-americana em 2003, assistiu-se a um certo revivalismo por parte do ETIM, coincidindo com a ressureição dos Taliban e da Al-Qaeda, e a situação de segurança na Ásia Central deteriorou-se. Deste modo, o Grupo de Coordenação Anti-Terrorista chinês viu-se obrigado a adoptar um conjunto de medidas que visassem a reformulação de alguns mecanismos anti-terroristas até aí criados.
Neste sentido, foi implementado um sistema de pré-aviso e de prevenção terrorista, com o objectivo de detectar quaisquer actividades de grupos terroristas, prevenir ataques terroristas e cortar financiamento terrorista.
Em segundo lugar, destaca-se a criação de um mecanismo de resposta rápida ao terrorismo. Este mecanismo foi fundamentalmente pensado para que as autoridades chinesas tomassem medidas determinadas com o propósito de neutralizar perpetradores de actos de terrorismo e de restringir os efeitos que adviessem de tais actos. Desde a criação deste mecanismo, a China tem investido incansavelmente no reforço da capacidade de “quick-response” por parte das forças anti-terror, as quais se encontram presentes não apenas em Xinjiang como também em quase todas as capitais de cada província chinesa. A República Popular participou igualmente em diversos exercícios militares anti-terror, quer bilaterais quer multilaterais. Por exemplo, o país efectuou exercícios bilaterais anti-terror com o Quirguistão em Outubro de 2002. Já em Agosto de 2003, e num ambiente multilateral, a China participou nos exercícios militares anti-terror, os quais receberam a designação de “United 2003”, juntamente com os restantes membros[9] da Organização para a Cooperação de Xangai.
Finalmente, a China criou um sistema de controlo e gestão de crises. Tal como o nome indica, este sistema tem como objectivo evitar grandes estragos, desde quedas de infra-estruturas a perdas humanas, principalmente logo no início de um ataque terrorista. Neste contexto, a China tem apostado numa melhor coordenação entre forças policiais, forças armadas, bombeiros, equipas de salvamento e pessoal médico para um eventual ataque terrorista.
O reforço da segurança interna tem sido notório desde os finais de 2001, mas especialmente a partir dos inícios de 2008 devido aos confrontos verificados no Tibete. Estes confrontos tiveram fortes repercussões a nível global, levando uma parte da sociedade civil internacional a condenar a repressão chinesa no Tibete e a apelar ao boicote aos Jogos Olímpicos, a serem realizados em Pequim entre 8 e 24 de Agosto de 2008. Logo a seguir aos confrontos no Tibete, a China esteve mergulhada, embora durante pouco tempo, num clima em que um atentado terrorista era considerado iminente, mas que o país conseguiu evitar. Nos inícios de Abril, as autoridades de Pequim apreenderam explosivos e materiais de propaganda jihadista, e detiveram 45 indivíduos pertencentes ao ETIM, suspeitos de terem feito planos para efectuar ataques suicidas, explodir carros-bomba, sequestrar jornalistas, turistas e atletas durante os Jogos Olímpicos de Pequim. Tudo em nome da jihad e (da libertação) do Turquestão Oriental, sem dúvida!
Não obstante, os críticos, entre os quais se destacam grupos de direitos humanos, acusam a China de estar constantemente a reprimir as minorias étnicas, principalmente a população uigur em Xinjiang, a qual pratica, na sua generalidade, um Islão moderado, isto é, o Islão Sufi. Os Estados Unidos, por seu turno, também acusaram a China de utilizar a guerra contra o terrorismo como um pretexto para a perseguição de opositores políticos e de minorias étnicas. Tal como referiu George W. Bush, em 2002, “the war on terrorism must never be an excuse to persecute minorities”[10].

2. O papel da Organização para a Cooperação de Xangai

O Shanghai Five foi criado em 1996 como um mecanismo de diálogo, com o objectivo de desmilitarizar as fronteiras entre a China e as antigas repúblicas soviéticas, e promover o debate em torno de questões relacionadas com a segurança, nomeadamente o combate aos “three evils”: separatismo, extremismo e terrorismo. Em 2001, com a adesão do Uzbequistão, o Shanghai Five passou a ser designado por Organização para a Cooperação de Xangai (OCX), tendo-se então transformado numa organização internacional de pleno direito[11].
Nos inícios de 2002, os Ministros dos Negócios Estrangeiros dos estados-membros da Organização para a Cooperação de Xangai reuniram-se em Pequim e chegaram a um consenso relativamente a assuntos importantes, tais como a cooperação e segurança ragionais. Segundo o Professor Pan Guang[12], a Organização para a Cooperação de Xangai proporciona uma boa estrutura à China para desenvolver uma estreita cooperação com os restantes estados-membros no combate ao terrorismo, extremismo, separatismo e quaisquer outras forças criminosas transnacionais. O principal alvo da campanha chinesa anti-terrorista é, nem mais nem menos, o ETIM. “It is of particular importance that China has been able, in the SCO[13] framework, to count on the support of the other nine member and observer states in its campaign against ETIM. Moreover, China has also been able to draw support from SCO partners in its efforts to frustrate other conventional or non-conventional security threats and to eliminate or ease the external factors of disruption to China’s stability and development”[14]. Neste contexto, importa salientar que a Organização para a Cooperação de Xangai advoga que a guerra contra os “three evils” não deve ser aproveitada para se desencadearem perseguições políticas, religiosas e étnicas, ou violar os direitos humanos.
De facto, uma maior cooperação, tanto a nível regional como internacional, deve ser encorajada no sentido de melhorar a efectividade e o compromisso da comunidade internacional no combate ao terrorismo e ao extremismo islâmico. A Organização para a Cooperação de Xangai tem sido, de certa forma, um bom exemplo de como a cooperação regional e multilateral é fundamental afim de fazer frente às ameaças transnacionais, em geral, e restringir a influência do ETIM não só em Xinjiang como também na Ásia Central. Por exemplo, Huseyin Celil, um canadiano de origem uigur, suspeito de pertencer ao ETIM, foi detido na capital uzbeque, Tashkent, e consequentemente forçado a regressar a Xinjiang.
Muito resumidamente, a superestrutura multilateral, isto é, a Organização para a Cooperação de Xangai, vem apenas provar o quão frágeis são os regimes individuais em dar resposta a situações pró-autónomas e pró-separatistas.

[1] Chien-peng Chung, “China’s ‘War on Terror’: September 11 and Uighur Separatism”, in Foreign Affairs, Julho/Agosto de 2002 (disponível em www.foreignaffairs.org/20020701facomment8515/chien-peng-chung/china-s-war-on-terror-september-11-and-uighur-separatism.html, consultado a 16 de Março de 2008).
[2] Bates Gill e Melissa Murphy, “China’s Evolving Approach to Counterterrorism”, in Harvard Asia Quarterly, Inverno/Primavera 2005, p. 24 (disponível em www.csis.org/media/csis/press/050815_counterterrorism.pdf, consultado a 27 de Abril de 2008).
[3] O Sufismo é uma corrente do Islão aliada ao misticismo, ou seja, os sufis são aqueles que procuram uma relação directa com Allah através da música, cânticos e danças.
[4] Afeganistão, Cazaquistão, Índia, Mongólia, Paquistão, Quirguistão, Rússia e Tajiquistão.
[5] Marika Vicziany, “State responses to Islamic terrorism in western China and their impact on South Asia”, in Contemporary South Asia, Volume 12, No. 2, Junho de 2003, p. 245 (consultado a 04 de Abril de 2008).
[6] Idem, ibidem, p. 246.
[7] “East Turkestan Terrorist Forces Cannot Get Away With Impunity” (disponível em www.china.org.cn/english/2002/Jan/25582.htm, consultado a 20 de Abril de 2008).
[8] Seva Gunitskiy, “In the Spotlight: East Turkestan Islamic Movement (ETIM)”, Center for Defense Information, 09 de Dezembro de 2002 (disponível em www.cdi.org/terrorism/etim-pr.cfm, consultado a 15 de Março de 2008).
[9] Para além da própria China, os membros da organização são a Rússia, o Quirguistão, o Tajiquistão, o Cazaquistão e o Uzbequistão, respectivamente.
[10] Congressional-Executive Commission on China, “Annual Report 2002”, 02 de Outubro de 2002, (disponível em www.cecc.gov/pages/annualRpt/2002annRptEng.pdf?PHPSESSID=929e0e9a88c72f3f82923a41e8bc3e16, consultado a 25 de Abril de 2008).
[11] Carlota N. A. Teixeira, Daniela S. Gomes e Pedro M. L. Martins, “A Organização para a Cooperação de Xangai: Os interesses da China, Rússia e Estados Unidos e a sua importância no futuro da organização”, Trabalho realizado para a cadeira de Conjuntura Internacional, ISCSP, Dezembro de 2007, p. 2.
[12] Pan Guang, “A Chinese Perspective on the Shanghai Cooperation Organization”, in The Shanghai Cooperation Organization, Policy Paper No. 17, Maio de 2007.
[13] Sigla em inglês (Shanghai Cooperation Organization).
[14] Idem, ibidem, p. 46.