My Irreversible Point of View

Unfortunately freedom of speech is not totally respected in some parts of the world. That is why I decide to express my point of view in the name of those who are not allowed to express themselves. STAND UP, SPEAK UP! STOP THE TRAFFIK

Sunday, February 26, 2006

Irão: a arma do medo? Ou a arma da ilusão?

O Presidente Mahmoud Ahmadinejad está convencido de que os ocidentais, confrontados com a interminável guerra do Iraque, o terrorismo e o receio de que o petróleo venha a faltar, acabarão por ceder. A vitória, pensa, permitirá a Teerão liderar o mundo muçulmano. Mas Washington não pode aceitar, tal como Israel, que o Irão disponha de armas nucleares. Daí a tentação de organizar um ataque preventivo, antes que seja tarde demais.

Por um lado, o mundo tem medo. Revelando uma indiscritível inquietação, considera que a escalada das tensões em torno do programa nuclear iraniano constitui uma prova de irracionalidade do Presidente fundamentalista, Mahmoud Ahmadinejad. Por outro lado, o orgulho e o sentimento de necessidade de segurança é notória nos olhos de alguns iranianos. Há quem diga que estariam dispostos a pagar por tal programa. Outros sustêm que o Irão deveria dedicar a sua energia ao desenvolvimento económico, em vez de procurar obter tecnologias caras que poderão acarretar a ruptura com o Ocidente.
A verdade é que o Irão tornou-se o símbolo de que os Estados Unidos da América odeiam. Em Outubro de 2004, apenas 9% dos americanos pensavam que o Irão representava a ameaça mais séria para a segurança dos E.U.A.
No entanto, como é de esperar, a administração Bush revela uma grande capacidade para manipular a opinião pública americana exactamente como quer. Com efeito, 70% dos americanos sondados pelo Pew Research Center considera que, quando o Irão tiver mesmo armas atómicas, vai atacar Israel, mas 66% pensa que também os E.U.A. e a Europa serão visados. Mais de 80% dizem-se convencidos de que o Irão fornecerá tecnologia nuclear às organizações terroristas que lhes são próximas.
Portanto, quando se vê a que ponto o Irão é hoje tido como uma ameaça grave, não seria difícil convencer a opinião pública de que não há alternativa a uma iniciativa militar.
Não era difícil de adivinhar que, ao meter-se pela via do enriquecimento nuclear, o Irão iria acabar perante o Conselho de Segurança das Nações Unidas. E parece, de facto, muito provável que o Irão seja brevemente vítima de sanções económicas. Mas, segundo o jornal Shargh, em Teerão, o país não está preparado para enfrentá-las.
Quando os ocidentais estudam as possibilidade de sanções, os iranianos, no interior do país, continuam a consumir sem pensar que as receitas do petróleo poderão diminuir. Desde a Revolução de 1979, fora o petróleo, Teerão não tem qualquer peso no comércio internacional. E os iranianos têm tanta necessidade de vender o seu petróleo como os seus inimigos de o comprarem.
Ora, o facto é que as sanções económicas vão enfraquecendo, pouco a pouco, o país. E permitirão ao Ocidente colocar os iranianos sob pressão. Durante todos estes anos, a dependência dos países ocidentais em relação ao Irão não cessou de diminuir e, em contrapartida, a dependência iraniana em relação àqueles não parou de aumentar. É por isso que muitos intelectuais iranianos afirmam que existe "demasiada arrogância num país tão mal preparado".


THE NEW YORK TIMES (excerto):

- Poucas horas depois de os Estados Unidos e a Europa terem aprovado oficialmente a resolução que permite submeter ao Conselho de Segurança da ONU a questão das actividades nucleares do Irão, o Presidente George W. Bush declarou, em directo do seu rancho: << a comunidade internacional não vai permitir que o regime iraniano se dote de armas nucleares. >> Contudo, vários conselheiros de Bush, diplomatas e peritos nucleares pensam que o congelamento brutal do programa nuclear iraniano não é viável. Segundo eles, é mais realista tentar atrasar a entrada do Irão no clube nuclear.
<< Os paquistaneses e os norte-coreanos conseguiram ter a bomba e não dispunham dos meios financeiros nem da perícia científica que goza o Irão >>, recorda um alto funcionário. << Mais cedo ou mais tarde, os iranianos acabarão por vir a tê-la. O nosso trabalho consiste em fazer com que esse dia chegue o mais tarde possível. A ideia é que talvez entretanto esteja no poder em Teerão um governo diferente. >>
Segundo os americanos, só há uma coisa pior do que a intervenção militar - é o Irão possuir armas nucleares.

1 Comments:

  • At June 14, 2006 1:29 AM , Blogger dealar786 said...

    pois e sera mais uma caso como no iraque em que as sansoe foram se mantendo por mais de uam decada e que os unicos que sofreram foi o povo e no fim para que o ocidente se preparasse para algo em grande tinham que ter primeiro algo mais pequeno!!!
    agora sim temos os pocos do iraque podemos ir ao irao!!!ridiculo ser do ocidente mais ridiculo e aceitar as nossas politicas e estupido e conseguir viver nesta podridao.
    enfim e a fantastica democracia que queremos implemtar sendo nos uns corruptos de primeira

     

Post a Comment

Subscribe to Post Comments [Atom]

Links to this post:

Create a Link

<< Home